A biodiversidade é uma das nossas maiores riquezas e está profundamente relacionada às diferentes culturas existentes no Brasil. Por isso, hoje falamos em sociobiodiversidade. Populações tradicionais (indígenas, quilombolas, caiçaras, entre outros), com suas formas de vida particulares, dependem da biodiversidade e a protegem, o que é benéfico para todo mundo.

Biodiversidade é a diversidade de vida existente em um lugar. 
Indivíduos da mesma espécie, não sendo idênticos entre si, carregam diversidade genética.
O mundo é habitado por milhões de espécies diferentes, muitas sequer conhecidas. Esta diversidade é importante porque cada forma de vida, interagindo entre si e com outras espécies dão vida aos ecossistemas (florestas, lagos, oceanos, mangues...).   
Os ecossistemas provêm diversos serviços ambientais importantíssimos para a vida de todas as espécies, inclusive a humana: clima, qualidade da água e do ar, produção de alimentos, remédios, insumos industriais... muita coisa depende dos processos naturais relacionados à biodiversidade.

Cuidar de habitats naturais como áreas preservadas de mata atlântica, floresta amazônica, cerrado, caatinga, mangues etc., é proteger a biodiversidade e o nosso trunfo para o futuro – para as condições de vida da atual e das futuras gerações.
A sociobiodiversidade tem um valor em si e, também, tem valor ecológico, econômico, científico, educacional, recreativo e cultural.
Estamos trabalhando para garantir que o povo brasileiro, no presente e no futuro, tenha direito a esta riqueza.
Como disse o Papa Francisco, “o tempo está se esgotando para salvar um planeta que começa a parecer mais e mais como uma imensa pilha de sujeira..."
A legislação brasileira precisa garantir a repartição justa dos benefícios da biodiversidade. Neste sentido, aprovamos na CMADS relatório de minha autoria, com dispositivos que protegem povos e comunidades tradicionais e agricultores familiares. 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now